quinta-feira, 16 de junho de 2011

Doce Escuridão


A cidade dorme
O sangue escorre
Eu continuo no escuro
Finalmente sou eu
Não mais outro em meu lugar
Enfim livre
Desfruto minha liberdade
Que não dura muito tempo
Acaba junto com a escuridão
Com a luz acordando a selvageria
Tenho que me adaptar a eles
Estou tão longe deles
Me tornei uma completa aberração
Mas me sinto livre

Nenhum comentário:

Postar um comentário